Sebrae revela algumas dicas que podem auxiliá-lo a diminuir o grau de inadimplência em seu estabelecimento

Texto: Redação/Sebrae
Imagens: Divulgação

Como já é de conhecimento dos leitores de Car Stereo Profissional, o Sebrae publica em seu site oficial alguns estudos, levantamentos e pesquisas que tem por finalidade auxiliar os empreendedores nas mais diversas situações que o mercado e o comércio exigem. Neste mês, o artigo que publicamos na íntegra para vocês diz respeito a um dos responsáveis pelas maiores dores de cabeça de qualquer empresário: a inadimplência. É impossível garantir que esse número se aproxime do zero em seu estabelecimento, a não ser que se trabalhe apenas com pagamento à vista, o que por sua vez também é completamente inviável para os lojistas do nosso segmento. Por este motivo, os especialistas do Sebrae enumeram algumas dicas que podem, pelo menos, fazer com que o empresário exerça tudo o que está ao seu alcance para fazer com que a indesejável inadimplência seja reduzida de forma significativa. As regras ajudam a controlar a inadimplência em relação ao seu negócio. Conheça as principais.

– Exigir a apresentação de documentos pessoais (RG e CPF), confirmando a assinatura que consta dos mesmos.

– Não aceitar que o cliente diga o número do RG e do CPF, mas solicitar a apresentação dos documentos na compra à vista (se for paga com cheque) ou parcelada.

– Solicitar comprovante de residência (contas de água, luz, telefone etc.).

– Requerer comprovante de renda (recibo de pagamento, declaração de imposto de renda, carteira de trabalho).

– Efetuar a confirmação de dados do cliente por telefone fixo (confirmação de residência, de emprego ou de uma referência).

– Consulta ao SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), à Serasa, ao telecheque, entre outros.

– Quando se tratar de cliente antigo, sempre atualizar os dados cadastrais, mantendo a confirmação por telefone.

– Trabalhar com cartões de crédito e de débito, pois as taxas cobradas pelas administradoras são compensadas pela garantia de recebimento dos valores. Há uma forte tendência no mercado para a popularização do cartão de débito.

– As contas bancárias recém-abertas apresentam alto índice de inadimplência. Por lei, o comerciante somente poderá recusar-se a receber pagamentos por meio de cheques ou fazer qualquer outra restrição se fixar cartaz visível, com as informações ao cliente, como por exemplo: “Só aceitamos cheques mediante apresentação de CPF e RG e mediante consulta”, “Não aceitamos cheques de terceiro” etc.

– Cuidado com o golpe do cheque falso, quando não se trata de inadimplência, mas crime de falsificação. Nesse caso, o consumidor que teve seu cheque falsificado não tem culpa, a instituição bancária também não, e o prejuízo acaba ficando com o empresário. Para que os falsários não tenham acesso a cadastros comerciais, sugerimos que o empresário mantenha os dados pessoais dos consumidores em cadastro próprio e não no verso do cheque. Outra alternativa é a implantação de um sistema de cartão próprio, que também é uma das formas de adquirir a fidelidade do cliente dando-lhe crédito, o que pode alavancar as vendas.